bocabulário

.  .  .

Alimento. Nutrição colocar para dentro e fora – Envaginar – o que nos nutre volta

Refluxo de borboletas

Onda que bate e ressaca que vem.

.  .  .

Ouvir qual o suporte do som das palavras.

O que é quietar emudecer

O que faz ter vontade de falar. O ar passa por onde? Faz soprar palavras

. .  .

Como seria um soluço dos órgãos?

Walking in the attention

encontro

. .  .

eating light

Se comemos muita luz pelos olhos eles ficam cansados e precisam pousar as pálpebras.

Complexidade na dobra.

. .  .

Semana 1- dia 8 – até 13.

Desconfio que a guerra não tem nada a ver com territorialismo somente……assim como não há vida sem morte, não sei se existe humano-mundo sem guerra…pensando os equilíbrios.ou em que dimensão a guerra existe. quais as pequenas guerras que acontecem mesmo no universo corpo.

.  .  .

Preferia que tivesse olhado na minha cara e dito: é melhor não nos falarmos mais por agora. Isso para mim seria bem honesto. Honesto sobre justeza de corpos e orbitas. Sim, pois estamos orbitando mas produzindo desvios de massas. Ora lá o treco da massa e do peso.

.  .  .

( ok, ok,ok, respiração, ok,ok,ok,ok…….estou rindo disso ai em cima e pensando o quanto me sinto uma criança as vezes).

. . .

muitos mundos percorridos. muitos corpos, muitas peles. Foi meio dois bichos, meio siamesas, meio, um corpo só, meio corpos diversos, seis pernas, oito braços, cavalo, bicho grande bicho sem rabo. percurtir e descobrir os dedos dos pés. o buraco entre o dedão e os dedos que mesmo de meia estica. Corpos que vão se encostando. caminhando lado a lado. contato de mãos. Com as mãos girar e voltar a andar. as mãos passeiam.Depois nos parimos, demos suporte, fomos suporte, carregamos, fomos carregadas, enrroscamos, quase conchinha, fomos dobrando e encontrando novos caminhos para passar. Comprimimos e apertamos. Dai ploft. Descolou. E começou a inflar e des inflar. Corpo baiacu, bexiga, cheio de nada. Enxeu-se. E  nesse enxer, esvaziar começou a surgir a lingua, a boca, e o som. E foi ai que fomos agrupando com outras bocas, outras linguas.

Roda com Nina, Jana, Isa e Mariana ( Bia colada)

A lingua de sapo, boi, vaca, velha, vômito. Desse coro de linguas e grunidos movimentos  que foram crescendo até que explodiram no espaço. Os corpos foram rodopiando no chão com seus eixos bem móveis carregando todos e tudo que estava no nível do chão menos patrícia. Rodopios, giros, caminhadas em bandos para diversos áreas do espaço. Relação cauda – cabeça estava bem diagonalizada no espaço

.   .   .

dada, 2017-2018

Sem título

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s